quarta-feira, 13 de março de 2013

MARIA INÊS


Enquanto esperamos, cruzamos o olhar com outros olhares, distraídos. Estamos ali e pronto. Alheios, descruzamos as pernas e os olhos e esfregamos o nariz com os nervos da espera; pouco mais é possível fazer. 

Sentados, esperamos e desesperamos. Não somos muitos, mas esperamos.

- Maria Inês, faz favor.

A mulher de bata branca, bonita, alta e quase magra, varreu o corredor com os olhos castanhos, enquanto a mão direita deslizava suavemente pelos cabelos. 

 - Maria Inês!

Ninguém responde. Continuadamente distraídos, voltámos a cruzar olhares como se aquele chamar por Maria Inês nos interessasse. Seria impossível que não estivesse por ali uma Maria Inês só para responder ao apelo daquela mulher bonita, alta e quase magra.

-Ah! Estás aí!... Vá, é a tua vez!

Ficámos então a saber que Maria Inês andava por ali tranquila, a saltitar, corredor abaixo, corredor acima, abraçada a uma boneca de longos cabelos pretos. Parecia interessar-se mais com o olhar da mamã do que com quem a chamava.

- Vamos, podem entrar.

Maria Inês entrou para o gabinete de mão dada com a mamã. Nós continuámos por ali, alheios, à espera, a cruzar e a descruzar os olhares e as pernas.

Depois, um pouco depois, Maria Inês apareceu à porta, com a mesma boneca debaixo do braço, desinteressada com o que se passava à sua volta. Largou a mão da mamã e voltou a correr pelo corredor fora.

A mamã saiu do gabinete, lenta e triste. De olhos colados ao chão, deixou a porta entreaberta com um longo suspiro de sofrimento. Depois, olhou para trás e encostou um pouco mais a porta do gabinete médico e seguiu… seguiu desalinhada e mais anoitecida.

Inês regressou, aos saltitos, com a boneca debaixo do braço. Encaixou a mãozita na mão da mamã e fixou aquele olhar meigo que tão bem conhecia.

- Adeus, Maria Inês, até para a semana! – Ritualizou a mulher de bata branca. 

(Nota: fotografia: pormenor de um mural de GRAÇA MARTINS)