domingo, 17 de fevereiro de 2013

UM POVO SEM ABRIGO NÃO PRECISA DE BANCOS PARA NADA



Não tenho que pedir desculpas a ninguém. Não recebo lições de moral sobre questões de sensibilidade (social). As que eu tinha a receber, recebi-as em casa, da minha família, da escola e da igreja católica (resposta de F. Ulrich, presidente do BPI, ao deputado João Galamba).

O povo português aguenta mais sacrifícios… ai aguenta, aguenta!… Então se os sem-abrigo aguentam, porque é que nós não aguentamos? (F. Ulrich, presidente do BPI).

Quando ouvi as palavras deste senhor, ilustre responsável diretor de um banco, fiquei a um passo de rir e a outro de chorar, mas decidi-me ficar pela revolta. Nem rir, nem chorar. Esta ilustre gente que dirige este pequeno país não conhece minimamente as condições em que o povo português vive. Não sabe fazer contas para sobreviver porque a vida nunca o exigiu. Porém, para muitos, os magros euros deixam muito mês ao deus-dará. Para o senhor Ulrich não. Um dia, talvez seja ele que não se vá aguentar, se Portugal se tornar num cantinho dos sem-abrigo. Todos aguentamos tudo, ou quase tudo…mas isso não é paz social, nem  progresso, nem alicerce da dignidade humana.

Voltemos às lições deste ilustre diretor do BPI: ele dá lições, ele fala, ele considera, ele fala, ele dá sentenças, ele diz… os outros, sentados sobre o fio da navalha da vida, ouvem e devem de obedecer. Entende-se, é diretor…e os diretores dirigem, governam e não recebem lições de ninguém. Mas não foram eles que deixaram este país neste estado? Então não deveriam ser eles condenados a contar os tostões da sobrevivência? Claro que não serão julgados, até porque as lições que tiveram foram na escola, em casa, da família e da Igreja católica. É aqui que começam as inquietações e muitas interrogações: estas lições vieram da escola pública que agora pretendem destruir? dos amigos sem abrigo? Da igreja católica, qual? A dos sem-abrigo ou da Opus Dei?

Os grandes grupos de interesses económicos passeiam-se por onde lhes apetece, crentes na justiça inexistente que os sustenta… até que um dia este benevolente povo que os aguenta perca a paciência e, cansado de aturar isaltinos, loureiros, valentins, sócrates, cavacos, ulriches e outros convivas semelhantes, lhes estenda os lençóis debaixo da ponte e os deixe a contar tostões em vez de milhões. Um povo sem-abrigo não precisa de bancos para nada!

Todos sabemos que tudo isto não passa de desabafos e lamentações.

Lá fora tudo continua na mesma. O vento continua a soprar, se houver vento, a fazer sol, se houver sol, a nevar se a neve cair. Valha-nos isso.