sábado, 3 de outubro de 2015

APELO DRAMÁTICO

Última hora: Cavaco faz apelo dramático ao voto nas legislativas de amanhã… (observador   http://vfpt.pt/Uh)
Esta mensagem acabou de cair no meu telemóvel.

Claro que vamos votar, senhor presidente. O seu apelo dramático comoveu-me até às lágrimas. Receio até que, amanhã, o meu boletim de voto seja identificado por alguma lágrima furtiva. Mesmo assim, votarei com um pouco mais de esperança de que o povo português deixe de ser tratado como sobrevivente dos números. Os números nunca serão o fundamento do meu voto. Sou humano, somos humanos e queremos ser tratados com a dignidade que nos é devida. Recuso ser tratado por gente que todos os dias me diz que gastei tanto, que deveria poupar mais, que não há dinheiro (só há para alguns), que vivo acima das minhas possibilidades, que não pedi fatura para poder ganhar um carro de luxo e que, provavelmente, também fugiu aos impostos que…

Senhor presidente, votaremos no amanhã com um pouco mais de esperança de não voltarem cavacos de qualquer espécie – secos, verdes ou molhados - sem cabeças de listas que nos chamaram “peste de cabelo grisalho”, sem convencidos que nos vão corroendo, sem narigudos submarinos, sem salgados que vão para a Comporta brincar aos pobrezinhos, sem aldrabices, nem rendeiros em cada esquina.


Enfim, se amanhã o meu boletim for identificado por alguma lágrima comovida e rebelde, não foi pelo discurso dramático de V.Ex.ª, que “sabe e fisga tudo”, mas pela dor de quem não tem salário para  alimentar a família, pelo olhar triste de quem não compra medicamentos porque lhe tiraram a pensão de sobrevivência, pela angústia daqueles que não enviam os invisuais à escola porque isso dá prejuízo, pela tristeza que tudo isto me deixa porque muitos ... continuam a fazer a mesma cruz no boletim de voto, apesar da cruz que carregam.