quarta-feira, 17 de julho de 2013

ESTÓRIAS DE ENCANTAR

4 - Nas finanças

Sempre o mesmo ritual: entrar, carregar no botão da máquina, retirar um papelito - o meu número de ordem.

Com a senha na mão, o olhar baloiçou entre o quadro eletrónico e o número "E087". 

Era cedo, mas já havia dezenas de contribuintes à minha frente, à espera, cansados. Sentia-se o cruzar de olhares nervosos que tornavam o ambiente pesado e triste. O estado estava em guerra com os  contribuintes portugueses.

- Não fico aqui à espera.  É uma parvoíce desperdiçar o tempo desta maneira.
Meti o número dentro do bolso e abandonei a sala.

- Vou resolver o assunto de outro modo e, quando as coisas acalmarem, voltarei com duas ou três perguntas.